O consumo de álcool durante a amamentação prejudica o cérebro do bebê, diz estudo | Superinteressante

(stock_colors/iStock)

A Síndrome alcoólica Fetal (SEF) é um dos grandes responsáveis pela recomendação de zero de álcool durante a gravidez. Ele afeta o bebê ainda no útero, gerando déficit de crescimento, alterações nas características faciais e atraso (ou até mesmo a perda) no desenvolvimento motor. Mas agora, os cientistas australianos da Universidade Macquarie sugerem que a restrição de álcool não deve acabar no parto: o ideal para o cérebro do bebê é que a mãe mantenha longe de beber até o fim da amamentação.

É complicado fazer afirmações conclusivas. Nós não sabemos ainda quais são os níveis de álcool são seguros e a partir de quando o consumo da bebida em causa o desenvolvimento do serviço de estrangeiros e fronteiras, por exemplo. Por via das dúvidas, a recomendação é zero. E a amamentação segue a mesma lógica: de acordo com esta nova pesquisa, feita com mais de 5.000 bebês e mães na austrália, o cérebro do bebê pode ser prejudicado se houver vestígios de álcool no leite materno. Por esta razão, é melhor evitar.

Para a pesquisa, os cientistas recrutaram voluntários em 2004, e seguido por avaliações de raciocínio, o desenvolvimento motor, etc.) de crianças a cada dois anos. O autor do estudo, Louisa Gibson, falou sobre os resultados: “O mais álcool, mulheres, bebida, ou quanto mais arriscados são os padrões de consumo de álcool durante a amamentação, menor é a capacidade de raciocínio abstrato para uma criança de 6 a 7 anos de idade”.

Veja também

Este resultado é o resultado de uma comparação: a investigação tem demonstrado que não houve declínio nas habilidades de pensamento e raciocínio em crianças com mães que tenham consumido álcool, mas não amamentaram. Que é, em ambos os casos, as mães que consumiram a bebida, mas apenas os bebês que entrou em contato com o leite sofreram danos. A redução nas habilidades da criança, foi um resultado direto de álcool no leite materno – outros aspectos sociais relacionados à bebida, por exemplo, não tem qualquer efeito.

Tudo isso é coerente, uma vez que a infância é um período de desenvolvimento, e as sinapses do cérebro – as conexões entre as células nervosas – estão crescendo em um ritmo bem acelerado. Gibson afirma que o álcool pode danificar as células do cérebro. E o autor também enumera os possíveis malefícios do álcool no leite materno: de acordo com ele, a substância pode alterar o conteúdo nutricional do leite, causando uma deficiência nutricional precoce. Outra hipótese é de que o álcool pode afetar os padrões de alimentação e sono do bebê.

A pesquisa ainda está no início, por isso é que vale a pena mencionar: investigações muito mais complexas são necessárias para afirmações conclusivas.

A cobertura da educação é o tema de conversa de Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, com os alunos de jornalismo participantes da Semana de Status. Para o especialista, para formar profissionais de mídia, capazes de seguir a agenda para a educação é fundamental para garantir que o Brasil continuar neste tema. Daniel Cara destaca a distribuição dos royalties do pré-sal para a educação como uma nova etapa para a cobertura na área. “A população precisa saber o quanto é gasto na indústria, e essa nova política vai ajudar a aumentar o interesse no tema”, ele prevê.

“As redações têm se interessado menos na cobertura do tema. A educação perdeu cadernos especiais e foi parar em editoriais que, às vezes, confundir as coisas”, diz ele. Na avaliação dele, os jornais precisam ser mais interessado do cotidiano de sala de aula como uma forma de oferecer ao leitor uma melhor imagem das escolas no Brasil.

“Eu acho que o leitor se preocupa com a educação do seu filho, mas tem poucas informações sobre o macro.” Fenômeno diferente do Cara que garante a ocorrer na Inglaterra, por exemplo, que a sociedade inglesa está interessado em discutir o assunto, porque ele considera relevantes da educação na transformação social por gerações. “Isso vem acontecendo gradualmente no Brasil, mas ainda é um movimento recente.”

Cara, aponta os principais problemas na cobertura da educação no Brasil. Na avaliação do especialista, os problemas que tendem a apresentar relatórios acabar não representa qualquer benefício para a discussão da melhoria dos níveis de educação. Em sua opinião, a busca de repórter por um elemento extraordinário e transformador no dia a dia das escolas, por exemplo, são muitas vezes isoladas e dificilmente replicável. “Para falar sobre as políticas de educação, é muito mais relevante, e infinitamente mais variado. Mas para um bom debate, os jornalistas precisam variar fontes”, sugere.

Naiara Azevedo sugeriu no início da semana, nas redes sociais, o lançamento da boneca com o nome do cantor, no estado do paraná. A pista era uma farsa.

Na realidade, esta é a ação promocional do single, o artista lançou ontem, 24 de agosto de 2018, as plataformas digitais em edição da gravadora Som Livre.

É que Naiara representa uma boneca no clipe Chora no meu pescoço, nova música de Rafael Pinturas, Blener Bem e Rodrigo reys.

No colorido clipe foi filmado sob a direção de Fred Siqueira, os dois protagonistas do roteiro – o muito Naiara Azevedo e o influenciador digital Guilherme Araújo – aparecem caracterizadas como bonecos, imitando incluindo os movimentos e o gestual típico dos bonecos.Pozzallo, Itália, de 3 de Junho de 2018 (AFP) – Matteo Salvini, o líder da ultra-direita League, e o novo ministro do Interior italiano, prometeu no domingo na Sicília usar o “bom senso” para acabar com destroços e chegadas de migrantes e evitar que a Itália é o “campo de refugiados” da Europa.”Não temos uma linha dura, mas de uma linha de bom senso”, insistiu Salvini, que viajou para a ilha no sul do país, para locais de apoio a candidatos de seu partido, que, em seu tempo, o separatista falou palavras difíceis contra esta região do país.”Bons tempos para os clandestinos, acabou: prepare-se para fazer as malas”, disse, no sábado. “A itália e a Sicília não pode ser o campo de refugiados da Europa”, insistiu neste domingo.Ele foi recebido por seus colegas de fãs, mas também por manifestantes de esquerda, embora em menor número. Em frente do centro de identificação de migrantes em Pozzallo, sob um sol escaldante, os manifestantes das partes em contrário, estavam a ponto de chegar a agressão física, enquanto espera pela sua visita. Mesmo com o tom combativo, Salvini matizado algumas de suas declarações anteriores, como na véspera, quando ele criticou os barcos de primeiros socorros a trabalhadores de Ongs, que ele chamou de “vice-traficantes” povo”.Ninguém o leva a certeza de que a imigração ilegal é um negócio. Ver que existem pessoas que ganham dinheiro às custas de crianças que morrem, em seguida, eu sou indigno”, disse ele após a morte de, pelo menos, 48 migrantes na costa da Tunísia, os outros nove, incluindo sete crianças, na costa da Turquia e uma em Espanha.”Eu acho que é melhor gastar o dinheiro (atualmente destinados a salvamento e bem-vindo nos países de origem. Mas se há Ongs que querem fazer o trabalho de graça, tudo bem,” ele disse.- “O desequilíbrio evidente”

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário